PNUD anuncia possível retorno de milhões de lares latino-americanos aos níveis anteriores de pobreza

Via Mercocidades.

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) manifesta preocupação pelas 25 a 30 milhões de pessoas que correm risco de cair novamente na pobreza. Através do Relatório sobre Desenvolvimento Humano (IDH), o programa lança uma série de recomendações para que a região impeça este retrocesso e continue avançando com políticas públicas de nova geração, em consonância com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Esta cifra representa um terço da população da região que saiu da pobreza desde 2003. Além disso, há muitos jovens e mulheres com uma inserção laboral precária nos setores de serviços. Estes formam parte de uma população de 220 milhões de pessoas (2 de cada 5 latino-americanos) que não são oficialmente pobres, mas que tampouco conseguiram ingressar na classe média, o que faz com que o relatório os qualifique como vulneráveis.

O IDH destaca que o que incide na saída da pobreza é distinto das ações que previnem que os latino-americanos voltem a recair nela. Na década passada, os mercados trabalhistas e a educação foram os grandes motores para deixar a pobreza. Entretanto, para impedir o retrocesso econômico é fundamental que as políticas públicas da nova geração fortaleçam quatro fatores: proteção social, sistemas de cuidado, ativos físicos e financeiros, e qualificação laboral.

No mercado trabalhista latino-americano, mais de 150 milhões de trabalhadores são assalariados em microempresas com menos de 5 vagas de trabalho, ou auto-empregados sem qualificação ou sem renda regular.

Por outro lado, 70% de mais de 50 milhões de pequenas e médias empresas (Pmes) são informais e dois em cada três novos empregos criados foram no setor de serviços, marcado por baixa produtividade e altas taxas de informalidade.

“Sem aumentos futuros da produtividade dos setores de baixa qualificação laboral, a sustentabilidade do crescimento e, em consequência, das conquistas sociais, se compromete”, indica o relatório.

Neste contexto, o IDH faz um um chamado no sentido de se repensar o modelo latino-americano de progresso para um conceito multidimensional, que siga a mesma linha da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e que transcenda o uso da renda per capita, o ritmo do crescimento econômico e o Produto Interno Bruto (PIB) como critérios privilegiados para medir o nível de desenvolvimento.

“Neste momento, há de se proteger as conquistas alcançadas e incentivar políticas e estratégias inclusivas e integrais adaptadas a populações que sofrem de discriminações e exclusões históricas”, disse a diretora regional do PNUD, Jessica Faieta.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s