Mercocidades abre chamamento para revista sobre Gênero

Membros interessados em participar da publicação conjunta “Para uma rede de Mercocidades com Perspectiva de Gênero” devem enviar seus artigos até o dia 10 de novembro de 2014.

Unidade Temática da rede  Mercocidades convida  municípios-membros a enviarem seus artigos para a publicação “Por uma rede Mercocidades com perspectiva de Gênero”.

A  revista será lançada em formato digital e algumas cópias impressas serão distribuídas durante a XIX Cúpula de Mercocidades em Rosário, Argentina.  A iniciativa visa dar continuidade a esse debate e incentivar a construção de uma perspectiva de gênero dentro das discussões da própria rede.

O material enviado deve estar relacionado a um dos eixos temáticos da Unidade: violência de gênero, tráfico de pessoas, gênero e deficiência física, participação política e liderança institucional de mulheres. Somente quinze artigos serão selecionados para a versão final da publicação.

A chamada foi realizada após a reunião, ocorrida nos dias 29 e 30 de setembro, em Pergamino, Argentina. Na ocasião, representantes das cidades-membro da rede, incluindo Belo Horizonte, Contagem, Jaboatão dos Guararapes e São Paulo (que também participam do FONARI), discutiram formas de desenvolver políticas públicas com perspectiva de gênero.  As cidades apresentaram casos de sucesso, como o da implementação da Secretaria Municipal de Políticas para Mulheres da Cidade de São Paulo.

Os artigos poderão ser enviados para utgm.mercociudades@gmail.com ou romina.viale@pergamino.gob.ar, até o dia 10 de novembro. As bases de convocação seguem aqui.

foto_blog

Comitê de Biodiversidade reúne especialistas para discutir o papel das cidades e governos locais

Realizado na província coreana de Gangwon, o IV Comitê sobre Biodiversidade para Cidades e Governos Subnacionais discute a implementação de políticas para a biodiversidade.

Entre os dias 12 e 14 de outubro, a província de Gangwon, na Coreia do Sul, recebeu o IV Comitê sobre Biodiversidade para Cidades e Governos Subnacionais. O evento, organizado pela rede internacional ICLEI – Governos Locais pela Sustentabilidade, discutiu o papel dos governos subnacionais e locais na implementação de uma política internacional de proteção à diversidade biológica.

O Comitê acontece bienalmente, sempre em paralelo à Convenção sobre Diversidade Biológica, estabelecida pela ONU em 1992. Nesta edição, estiveram presentes representantes de governos subnacionais e locais, parceiros do setor privado, representantes de Estados nacionais e de organizações da sociedade civil. Ao final do evento, foi divulgado o rascunho da Declaração de Gangwon.

São Paulo esteve no evento e foi representanda por Leandro de Oliveira Caetano, diretor da Divisão Técnica de Unidades de Conservação e Proteção da Biodiversidade e Herbário da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente. A cidade tem grande participação no campo da diversidade biológica, com a aprovação do Plano Municipal de Estratégias e Ações Locais pela Biodiversidade em 2011.

Saiba mais aqui.

ewer

Mês de outubro é marcado pelo debate sobre a importância das cidades no mundo

Dia Mundial do Habitat abre o Outubro Urbano, mês que será formado por eventos que incentivam o debate sobre o papel das cidades no mundo e sobre o direito básico à moradia. 

Desde 06 de outubro, com o Dia Mundial do Habitat, a ONU-Habitat deu início ao Outubro Urbano, um mês formado por diversos eventos que incentivam a necessidade de refletir o papel das cidades no mundo, além de debater a situação atual do direito básico à moradia. O mês se estende até o dia 31 de outubro, quando será comemorado o Dia Mundial das Cidades em evento organizado pela prefeitura de Xangai, China.

O tema do Dia Mundial das Cidades será “Liderando a Transformação Urbana”. O evento contará com a presença de líderes mundiais, especialistas e tomadores de decisão de todo o mundo. O Dia foi estabelecido através de uma resolução tomada pela Assembleia Geral da ONU, em 2013.

Além do Dia Mundial do Habitat e do Dia Mundial das Cidades, o Outubro Urbano também será marcado por eventos paralelos organizados por cidades e outros organismos internacionais. Saiba mais aqui.

diamundial

Mercocidades reúne representantes de governos da América Latina para discutir questões de gênero

Representantes de governos membros da rede se reuniram em Pergamino, Argentina, para discutir perspectivas de gênero em políticas municipais.

Nos dias 29 e 30 de setembro, 22 representantes de governos locais e regionais da América Latina se reuniram para a Unidade Temática de Gênero da rede de Mercocidades. O encontro aconteceu na cidade de Pergamino, Argentina.

O intuito da reunião foi debater o desenvolvimento de uma perspectiva de gênero na formulação de políticas públicas municipais por meio da troca de boas práticas e experiências exitosas. “A incorporação das áreas de gênero nos municípios gera a possibilidade de assessorar o restante das políticas municipais, o que somente enriquece a democracia e, sobretudo, a democracia local, que é o contato com a população diretamente”, disse Araceli Delgado, responsável pela coordenação da UT de Gênero e representante da cidade de Canelones, Uruguai.

O evento foi dividido em dois blocos, com os temas “Gênero e Deficiência” e “Gênero e Tráfico de Pessoas”.

Os participantes foram recebidos pelo Prefeito da cidade de Pergamino, Omar Pacini defendeu em seu discurso de abertura a necessidade de uma rede cada vez mais ativa na construção de uma sociedade melhor e mais participativa na América Latina. Atualmente, Mercocidades é formada por 283 municípios.

Entre essas experiências, o destaque ficou também para a apresentação da Secretária Adjunta de Políticas para Mulheres da cidade de São Paulo, Dulce Xavier. Ela abordou a importância da criação da Secretaria Municipal de Políticas para Mulheres, em 2013, alinhada aos princípios do Plano Nacional de Políticas para Mulheres.
politicas2

Manual da ONU incentiva o debate sobre os direitos de pessoas LGBT no ambiente de trabalho

Em cerimônia realizada no Instituto Carrefour, ONU lança manual para conscientização de trabalhadores e empresas sobre direitos humanos para pessoas LGBT no ambiente de trabalho.

O Smanual1222222istema ONU no Brasil lançou, no dia 30 de setembro, o Manual sobre direitos LGBT no mundo do trabalho. A cerimônia de lançamento ocorreu no Instituto Carrefour, em São Paulo, e contou com a presença de Carlos Magona Fonseca, da ABGLT (Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais), representantes da Organização Internacional do Trabalho, PNUD e UNAIDS e de mais 30 empresas privadas e organizações da sociedade civil.

Iniciativa da Campanha Livres e Iguais do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, o manual “Construindo a Igualdade de Oportunidades no Mundo Trabalho” provoca a reflexão e promove o aprendizado sobre as dificuldades de adaptação e superação de pessoas LGBT no mundo do trabalho.

Presente no dia do lançamento do manual, Laís Abramo, diretora do escritório brasileiro da Organização Internacional do Trabalho (OIT), ressaltou a importância de  trazer questões sensíveis ao mundo do trabalho, uma das área de articulação da sociedade. “A discriminação é um fenômeno complexo, insidioso e recorrente. É necessária uma multiplicidade de atores para superá-la”, afirmou.

Através do uso de histórias reais, a publicação combate a homo-lesbo-transfobia, incentivando as empresas a se comprometerem com a definição de diretrizes para a promoção dos Direitos Humanos para pessoas LGBT.

Beto de Jesus, secretário da Associação LGBT para a América Latina e o Caribe, destacou a metodologia usada como uma forma de aproximar o conteúdo dos leitores e tirar dúvida.“Pedagogicamente isso seria mais interessante para as pessoas”, disse.

O manual é voltado para firmar um compromisso com as empresas e conscientizar os trabalhadores, incentivando a construção de um ambiente de trabalho mais igualitário. Ele pode ser acessado na íntegra aqui.

Premiação para aplicativos levanta a questão da mudança climática

Escritório da ONU para a Redução de Riscos e Desastres (UNISDR), em parceria com a empresa americana Esri, premia desenvolvedores de aplicativos que alertam a população sobre desastres naturais

No dia 23 de setembro, durante a Cúpula do Clima, o Escritório da ONU para a Redução de Riscos e Desastres (UNISDR) realizou o Desafio Esri para aplicativos que reduzem os impactos ambientais causados pelas mudanças climáticas.

Segundo Margareta Wahlström, Secretária da UNISDR, a premiação ocorre em um momento de grande preocupação na busca de um mundo mais resiliente e preparado para lidar com as mudanças climáticas. No total, 22 aplicativos foram desenvolvidos. Todos eles estão disponíveis para as 2.200 cidades-membro da Campanha Making Cities Resilient.

Os vencedores foram o instituto The Nature Conservancy, com o Coastal Defense App, que auxilia as comunidades costeiras a identificarem soluções para a redução de riscos ecológicos; e Adam Niciński, desenvolvedor de softwares da Polônia, com o aplicativo VISTULA, que conscientiza as pessoas sobre os riscos de inundação em suas regiões, ajudando-as a encontrarem abrigos e rotas de fuga. Os desenvolvedores receberam 10.000 dólares cada

A iniciativa espera conscientizar as pessoas sobre os riscos das mudanças climáticas. O Desafio incentivou a produção de aplicativos que empoderam a população e os tomadores de decisão.

app

Chefes de Estados e Líderes Indígenas participam da Conferência Mundial sobre Povos Indígenas, em Nova Iorque

Em 4 dias de encontros, os avanços na saúde e educação de populações indígenas e a Agenda de Desenvolvimento Pós-2015 foram os destaques

Entre os dias 22 e 25 de setembro, em Nova Iorque, aconteceu a Conferência Mundial sobre Povos Indígenas e a Cúpula sobre o Clima. A semana foi acompanhada de perto pela Secretária Executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena, que também esteve presente com o Secretário Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, em reuniões bilaterais com vários presidentes da América Latina.

Durante a semana da Conferência foram mencionados os dois últimos trabalhos da CEPAL em uma coletiva de imprensa fechada: Os povos indígenas na América Latina: avanços na última década e objetivos pendentes para a garantia de seus direitos; e A economia e as mudanças climáticas na América Latina e no Caribe: paradoxos e desafios.

Os esforços efetuados por Bolívia e Equador na busca por melhores condições para suas comunidades indígenas foram destacados, assim como a implementação de políticas públicas pensadas para as populações indígenas pelo México. Os indicadores de avanços aos serviços de saúde pelas populações indígenas apresentaram melhorias nos nove países com dados disponíveis. Na educação, os números de comparecimento escolar também apresentaram melhorias na faixa de 6 a 11 anos. Contudo, grandes diferenças ainda persistem quando a comparação é feita com base na educação média e superior.

Diversos chefes de estado participaram do encontro, no qual foram discutidos o reconhecimento do direito territorial dos povos indígenas e os conflitos com extratores. Estiveram presentes: Evo Morales- Bolívia, Dilma Rousseff- Brasil, Michelle Bachelet- Chile, Juan Manuel Santos- Colômbia, Juan Orlando Hernández- Honduras, Enrique Peña Nieto- México, Ollanta Humala- Peru, Juan Carlos Varelas- Panamá, além do Ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla.

Outro destaque da Conferência foi a presença de líderes indígenas, que comentaram os principais resultados do informe sobre esta parcela da população. Cabe destacar entre os nomes David Choquehuanca, Ministro das Relações Exteriores do Estado Plurinacional da Bolívia, Rigoberta Menchú, Prêmio Nobel da Paz, Alvaro Pop, membro do Fórum Permanente para as Questões Indígenas, e Mirna Cunningham, ex Presidenta do Fórum Permanente para as Questões Indígenas.

Um documento que oriente para a ação e implementação dos direitos dos Povos Indígenas, preparado pelo presidente da Assembleia Geral, e com base em uma consulta com os Países membros e os povos indígenas, será um dos resultados desta Conferência Mundial.

IMAGEM_blog1 IMAGEM_blog2

Fotos: http://fotospublicas.com/abertura-da-conferencia-mundial-sobre-os-povos-indigenas/

Fonte: http://www.cepal.org/

Fonte: http://agenciabrasil.ebc.com.br/internacional/noticia/2014-09/povos-indigenas-e-clima-serao-discutidos-antes-da-69a-assembleia-geral